Viva Pacaembu
+19
+25°
+17°
São Paulo
Segunda-Feira, 02

Eventos

Nenhuma notícia encontrada.

Viva Pacaembu
Siga-nos pelo Facebook Siga-nos pelo Twitter

Você é a favor da concessão do Estádio do Pacaembu para a iniciativa privada?

SIM
NÃO

Contexto: - Modalidade:2016 - Area:Notícia Secundaria Home - Evento:

Nenhuma notcia encontrada.

TEMPORAIS: UM TORMENTO PARA SÃO PAULO

Não deveria ser um tormento para São Paulo, mas tudo contribui para que os dias de chuvas intensas sejam um caos. Árvores malcuidadas, asfalto não permeável, fios elétricos aéreos, limpeza das ruas e bueiros entupidos, falta de energia elétrica com consequente parada dos semáforos, não planejamento para expansão da cidade com arborização, falta de equipes para atender casos de emergência, que não são poucas.

Em 2005, a Câmara Municipal de São Paulo aprovou a lei 14.023, que obriga concessionárias, empresas estatais e operadoras de serviço a enterrarem todo o cabeamento (de rede elétrica, telefonia, televisão e afins) instalado no município. A regulamentação da lei, em vigor desde 2006, prevê o enterramento de 250 km de fios e cabos por ano. Porém, a Grande São Paulo tem enterrados hoje apenas 5% de seus 30 mil km de fios e cabos, o equivalente a 3 mil km, segundo informações da própria concessionária.

Por que essa lei não tem prioridade para a maior cidade do país?

Falta de planejamento e prioridades não direcionadas a melhoria da cidade. Esta seria a primeira resposta.

Seja qual for o investimento, deveria ser prioridade. Precisamos muito de árvores, praças, espaços verdes para controlar a temperatura e melhorar a qualidade do ar, embelezar e criar ambientes agradáveis. Também precisamos do fornecimento de energia elétrica/água ininterruptas para o bom funcionamento da cidade como um todo.

Não deveríamos ter manchetes como esta, da Folha de São Paulo, do dia 06/11/2016: “Homem é vítima de cheia, árvores e falta de luz no mesmo dia”. 

Uma pessoa contou que venceu a enchente, chegou na sua rua, viu seu carro sob uma árvore que havia caído e finalmente, quando entrou em casa, estava sem energia elétrica, porque do outro lado da calçada, um fio quebrado soltava faíscas. Sabia que ao acabar a energia, para retornar seriam horas sem fim, 24, 48, 72hs!

Tudo isso está ficando comum na cidade. Naquele dia, não teve morte; mas costuma vitimar habitantes.

Não é hora de soluções/atitudes/comprometimento urgentes?

Maria Amélia Perrone