Viva Pacaembu
+19
+25°
+17°
São Paulo
Segunda-Feira, 02

Eventos

Aplaudido roteirista que é nosso vizinho

SAIBA MAIS

Era uma vez um menino e uma menina

SAIBA MAIS

Viva Pacaembu
Siga-nos pelo Facebook Siga-nos pelo Twitter

Você é a favor da concessão do Estádio do Pacaembu para a iniciativa privada?

SIM
NÃO

Contexto:ESPAÇO DO MORADOR - Modalidade:NOSSO VIZINHO - Area: - Evento:


legendaFoto:
Modalidade: NOSSO VIZINHO
Contexto: ESPAÇO DO MORADOR
Evento:

04/11/2013

Ttulo: Aplaudido roteirista que é nosso vizinho

Manchete:

Resumo:



legendaFoto: Jeronymo G. Bandeira de Mello
Modalidade: NOSSO VIZINHO
Contexto: ESPAÇO DO MORADOR
Evento:

03/08/2011

Ttulo: Era uma vez um menino e uma menina

Manchete:

Resumo:


Sr Laudo Natel

Sr Laudo Natel

91 anos e vigor de dar inveja a muito jovem!


Elegante e afável, a conversa com o Sr Laudo Natel foi pontuada pela lembrança de D. Zilda, a esposa falecida em 2002. Família grande: 2 filhos, 4 netas, 10 bisnetos. 

O olhar de administrador que forjou na carreira iniciada no Banco Noroeste e depois no Bradesco o credenciou para o governo de São Paulo - cargo que ocupou por duas vezes. Essa experiência, aliada à paixão pelo time de futebol São Paulo, colou seu nome à história do clube. 

Nascido no interior, veio para a capital em 1945 e logo surgiu o sonho de morar no Pacaembu. Assim que puderam, ele e a mulher compraram o terreno e construíram a casa onde ainda mora. 

- Sou, por convicção, morador do Pacaembu. No bairro, não falta muita coisa, não sinto falta... Trânsito e segurança são problemas da cidade. Tem até o “centro comercial” com o essencial que ajuda a vida do bairro. 


Comentando sobre a praça dedicada à prática de esqueitismo batizada com o nome de sua mulher, disse: 

- Essa homenagem seria legítima se acontecesse em qualquer lugar, mas tem um valor muito especial por ser no Pacaembu, pois foi aqui que ela viveu a maior parte de sua vida: morreu com 78 anos, dos quais morou mais de 50 no bairro! 


A praça introduziu o tema esporte: 


- A torcida uniformizada nasceu no (time) São Paulo e era uma alegria só! Outras foram surgindo e, agora, virou uma guerra! Está fora de controle. É uma questão de educação; os clubes têm que chamar os torcedores à razão. 


- Quem mora no Pacaembu, como quem mora no Morumbi, sabe que mora perto de estádio. São bairros que nasceram e cresceram em volta do estádio. O que é preciso é disciplinar o uso... Os jogos de futebol são comprados pelas televisões que estipulam os horários... O torcedor é fundamental para os times e os jogos muito tarde o prejudicam... Com a construção do Itaquerão, os grandes jogos vão sair do Pacaembu... As outras atividades que lá existem podem ser incrementadas... 


O assunto foi, então, para a vida moderna: 


- Vim do interior. Conheço todos os municípios de São Paulo... Trabalho muito ainda, apesar da idade... Devo ser o bancário mais antigo... 


- Quanto ao celular, 10% é utilidade e 90% é vício... A vida, hoje, é impossível sem a informática... Os bancos não funcionariam sem o computador... Quando o Bradesco instalou seu primeiro computador (perto dos anos 60), precisei conversar com os funcionários que temiam perder os empregos por causa da máquina... 


Admira e apóia o trabalho da Viva Pac: 


- A sociedade deve estar sempre presente. Individualmente, ninguém pode fazer muito, mas juntos... O morador deve prestigiar a Associação, que é uma força do cidadão. 

Entrevista de: Cláudia Sodré

Publicado no Boletim Viva Pacembu nº4 de SET/OUT 2011