Viva Pacaembu
+19
+25°
+17°
São Paulo
Segunda-Feira, 02

Eventos

Lei de zoneamento: comissão aprova substitutivo e projeto segue para o plenário

SAIBA MAIS

Comgás amplia presença no Pacaembu

SAIBA MAIS

RESULTADO ELEIÇÕES - Conselhos e diretoria da Viva Pacaembu

SAIBA MAIS

O futuro do estádio do Pacaembu

SAIBA MAIS

Participe das audiências públicas da revisão participativa da Lei de Zoneamento

SAIBA MAIS

Viva Pacaembu
Siga-nos pelo Facebook Siga-nos pelo Twitter

Você é a favor da concessão do Estádio do Pacaembu para a iniciativa privada?

SIM
NÃO

Contexto:NOTÍCIAS - Modalidade:2015 - Area: - Evento:


legendaFoto:
Modalidade: 2015
Contexto: NOTÍCIAS
Evento:

22/12/2015

Ttulo: Lei de zoneamento: comissão aprova substitutivo e projeto segue para o plenário

Manchete:

Resumo:



legendaFoto:
Modalidade: 2015
Contexto: NOTÍCIAS
Evento:

07/12/2015

Ttulo: Comgás amplia presença no Pacaembu

Manchete:

Resumo:



legendaFoto:
Modalidade: 2015
Contexto: NOTÍCIAS
Evento:

07/07/2015

Ttulo: RESULTADO ELEIÇÕES - Conselhos e diretoria da Viva Pacaembu

Manchete:

Resumo:



legendaFoto:
Modalidade: 2015
Contexto: NOTÍCIAS
Evento:

23/02/2015

Ttulo: O futuro do estádio do Pacaembu

Manchete:

Resumo:



legendaFoto:
Modalidade: 2015
Contexto: NOTÍCIAS
Evento:

06/01/2015

Ttulo: Participe das audiências públicas da revisão participativa da Lei de Zoneamento

Manchete:

Resumo:


O som do estádio é da torcida!

Para os moradores do bairro do Pacaembu a informação de que o terreno para a construção do Estádio foi uma doação da Cia. City ao Estado e Município, em 1921 e 1936, respectivamente, é notícia requentada! Todos já sabem!  Pouco se noticiou, entretanto, que para a doação se efetivar, houve, de ambas as partes, exigências a serem cumpridas que garantiriam, ao longo de seu funcionamento, o respeito ao seu entorno.
A primeira delas, com relação ao uso do equipamento.  A Cia. City determinou e deixou lavrado em escritura, que o estádio a ser construído deveria ter fins exclusivamente desportivos, e o seu programa deveria obedecer as linhas gerais do projeto, plantas e memorial descritivo, organizados pelo escritório Ramos de Azevedo. Entendia-se, com isto que, não apenas o Estádio seria um local de celebração de partidas entre as agremiações desportivas, como também se fortaleceria como centralidade no bairro, ancorada na promoção da saúde e da educação, através do esporte. Vale conhecer a estrutura do Estádio do Pacaembu para se ter uma noção do seu potencial.
A segunda delas, com relação aos acessos à região.  Entendendo-se que em períodos de jogos o fluxo de pedestres e veículos é maior, o poder público exigia em sua contrapartida à aceitação da área, que a Cia. City promovesse a “preparação de leitos, calçamento por asphalto, ...  instalação de illuminação electrica na praça, ... , instalação de uma linha de bondes, ... , construcção da av. Pacaembu, ...” entre outros.  Todas elas iniciativas orientadas a garantir a mobilidade, seja através de meios públicos ou privados de transporte.
Como forma de equilibrar tais investimentos, faria caber a Cia. City o benefício de poder explorar, com exclusividade, dentro do Estádio, nas suas coberturas e telhados “reclames, annuncios, etc., tão só de terrenos, casas, construcções e respectivos financiamentos” de seus produtos.
Tal parceria público-privada não apenas revela, mais uma vez, o pioneirismo da Cia. City no que toca a sua visão de negócios como aponta para o Estádio do Pacaembu, um caminho a ser alinhavado que estimule o desenvolvimento de esportistas do futuro!

José Pereira Wilken Bicudo
Presidente