Viva Pacaembu
+19
+25°
+17°
São Paulo
Segunda-Feira, 02

Eventos

Plano de bairro desenvolvido pela Viva Pacaembu e seus moradores, no ano de 2004

SAIBA MAIS

Viva Pacaembu
Siga-nos pelo Facebook Siga-nos pelo Twitter

Você é a favor da concessão do Estádio do Pacaembu para a iniciativa privada?

SIM
NÃO

Contexto:NOTÍCIAS - Modalidade:2014 - Area: - Evento:


legendaFoto:
Modalidade: 2014
Contexto: NOTÍCIAS
Evento:

26/08/2014

Ttulo: Plano de bairro desenvolvido pela Viva Pacaembu e seus moradores, no ano de 2004

Manchete:

Resumo:


Cadê a Herança?

Você já fez um balanço da herança deixada pela copa do Mundo?

A Copa do Mundo de Futebol é passado. Aos trancos e barrancos, acabou dando tudo certo. Na época, justificavam-se os custos afirmando que o povo receberia uma herança rica. Verdade? Acho que não.

Na época, o entorno do Pacaembu parecia primeiro mundo: trânsito fluía, não havia estacionamento irregular, os flanelinhas haviam desaparecido e os gatos sobreviviam pois não viravam mais churrasco. Os muros e jardins das residências - apesar da seca e de não poderem ser lavados para economizar água - não fediam... Provou-se que, com boa vontade e empenho, é possível pôr ordem no caos!

Agora que as luzes se apagaram, vive-se o fim de festa, maquiagem borrada, roupas desalinhadas, pés doídos, sujeira no chão... Três meses depois, o que se vê em São Paulo? As ruas recomeçam a ficar com o calçamento esburacado, as placas indicativas dos caminhos que deveriam ser retiradas continuam a balançar nos postes (aliás, nada contra as tais placas, é tão somente uma questão de cumprir o acordado) e a segurança escorregou ladeira abaixo.

Hoje, o bairro está entregue aos ratos; eles circulam pelas ruas, em carne e osso e também metaforicamente: os roedores têm a companhia das baratas e os moradores, que não pagam IPTU barato, estão sozinhos lutando contra os camelôs (que, sem licença, vendem em suas portas comidas de providência duvidosa) e, em dias de jogos, tentam entrar/sair de suas garagens (impedidos que são pelos carros deixados em frente aos seus portões). 

As autoridades? Estão surdas, mudas, cegas... A herança trazida pela Copa? Um conto de fadas: era uma vez! Acredito que nunca existiu!

Cláudia Sodré