Viva Pacaembu
+19
+25°
+17°
São Paulo
Segunda-Feira, 02

Eventos

Aplaudido roteirista que é nosso vizinho

SAIBA MAIS

Era uma vez um menino e uma menina

SAIBA MAIS

Viva Pacaembu
Siga-nos pelo Facebook Siga-nos pelo Twitter

Você é a favor da concessão do Estádio do Pacaembu para a iniciativa privada?

SIM
NÃO

Contexto:ESPAÇO DO MORADOR - Modalidade:NOSSO VIZINHO - Area: - Evento:


legendaFoto:
Modalidade: NOSSO VIZINHO
Contexto: ESPAÇO DO MORADOR
Evento:

04/11/2013

Ttulo: Aplaudido roteirista que é nosso vizinho

Manchete:

Resumo:



legendaFoto: Jeronymo G. Bandeira de Mello
Modalidade: NOSSO VIZINHO
Contexto: ESPAÇO DO MORADOR
Evento:

03/08/2011

Ttulo: Era uma vez um menino e uma menina

Manchete:

Resumo:


Monja Coen: Caminhada zen - cada passo seja um passo de paz



Em meio ao caos urbano, contagia-nos com a calma dos gestos, a percepção aos detalhes que nos rodeiam e, assim, as histórias vão se sucedendo.

Criança, Cláudia veio morar na casa construída pelo pai, ao lado do estádio. Era a década de 50 e a mãe (como muitos), achava a região perigosa porque deserta. Com a irmã, brincava pela praça e pelos labirintos do Pacaembu; com o avô, ficava na varanda vendo o movimento das torcidas e, às vezes, ia até o vendedor de amendoim e laranja descascada que montava banca na esquina. A concha acústica que havia no lugar do ‘tobogã’ absorvia parte do ruído.

Diz que a Praça Charles Miller não é ideal para abrigar eventos que acontecem ali. Cita os flanelinhas que usam os jardins como banheiro “...será que não é o caso de o poder público (que os aceita), resolver essa questão?” Quanto às corridas de atletas, sugere que os organizadores sejam corresponsáveis por organizar o estacionamento dos veículos, limpeza do entorno, etc. 

Segue a regra 34 de São Bento que resume em “É PROIBIDO RESMUNGAR!” - não significa não discordar ou não debater, mas, sim, não ficar só remoendo sem fazer nada para mudar: “Tem que falar com a pessoa certa, da maneira correta...”

A trajetória foi grande até se tornar a primeira mulher e de origem não-japonesa a assumir a Presidência da Federação das Seitas Budistas do Brasil. Missionária da tradição Sotoshu, fundadora da Comunidade Zen Budista, recebeu o nome Coen ao ser ordenada monja em 1983: CO, herdou do seu mestre de Los Angeles; EN significa círculo. Estudou em Nagóia (Japão) e, de volta a São Paulo, atuou no bairro da Liberdade antes de transformar sua antiga residência no centro de estudos Comunidade Zen Budista Zendo Brasil. 

Ensina meditação, que treina a mente: “Está estressado? Caminhe e medite.” Difícil acreditar que é possível fazer isso no coração do bairro! Mas, Monja Coen logo explica: “Plantamos uns bambus e a vegetação do jardim serve de anteparo...”

Contou que o Instituto Palas Atenas a inspirou nas meditações/caminhadas pelos espaços públicos, com o objetivo de “trabalhar para criar uma cultura de paz... Precisamos conquistar mais pessoas... Chegamos a vender origamis feitos com papel doado para custear esse projeto...”

Comunga da ideia de zeladoria do planeta e propõe uma parceria:
- Vamos começar limpando o bairro. É a nossa casa!

Cláudia Sodré